08/01/2017

O castanheiro da minha infância


Se associo uma árvore à minha infância é, sem dúvida, a este castanheiro. Era bem frondoso e ficava no fundo do quintal da casa dos avós. Sempre adorei castanhas e recordo bem as tardes de outono, passadas com a minha irmã, na sua sombra, debruçada a abrir ouriços e a apanhá-las.

O curioso é que só soube da origem deste castanheiro há uns meses atrás. Foi plantado pelo pai no dia em que entrou para a faculdade, no final dos anos 60, como forma de assinalar a data :)

Há uns anos atrás a casa dos avós foi vendida e os actuais proprietários, vá-se lá saber porquê, resolveram deitá-lo abaixo. E ali ficou o tronco, felizmente numa zona a que temos acesso.
Daqui até à ideia de cortar uma argola do tronco e fazer uma mesa para oferecer ao pai no Natal foi fácil. O difícil foi arranjar quem a cortasse, o que lá consegui, digamos, por portas mais travessas :)

Depois de cortada a argola, em bruto, levei-a a uma serração para fazer o corte perfeito e retirar a casca, o que, no caso do Castanho, não é tarefa fácil. A partir daqui já pude meter a mão na massa.

Com as preciosas indicações da Margarida, do Artlier, e depois de finamente lixada, comecei por passar branqueador de madeiras nas zonas em que a argola tinha manchas escuras, provocadas pela máquina de corte. Seguiu-se tapa-poros, para evitar que a madeira cedesse, uma vez que ainda não estava totalmente seca. Foram umas 3 camadas deste produto intercaladas com lixa fina. Por fim, várias camadas de goma laca até ao aspecto desejado.
Para suporte, sabia bem o que queria, pernas em alfinete. Também aqui o difícil é encontrar uma serralharia artística, e mais ainda uma serralharia que faça o desenho que queremos... Fruto do acaso, da sorte (ou até mesmo serendipity :) ) entrei um dia no elevador da empresa onde trabalho e está lá dentro um homem cuja camisola diz "Serralharia". Confirmei que efectivamente trabalha numa e não saí desta curta viagem sem a certeza de que me iria orçamentar as pernas.


O resto foi fácil, colocar as pernas e encerar com cor de nogueira.


Conclusão, ofereci, de surpresa, ao pai, no Natal, a peça mais bonita que fiz até hoje. Perpetua-se o castanheiro na família. A próxima mesa será minha, mas tudo será mais fácil, seguramente!
A mesa do castanheiro não entrou no meu Best of 2016 porque ainda era segredo, por aqui... mas é A peça do ano.
SHARE:

13 comentários

  1. Belíssima peça, na sua belíssima simplicidade. Belíssima história...

    ResponderEliminar
  2. Que linda ficou,Ana!! Que maravilha! Adorei!

    ResponderEliminar
  3. Ficou linda, Ana! Muitos parabéns!

    ResponderEliminar
  4. Olá Ana, sim, aquela foto que viu, é lá no artlier! lembra-se de um dia ter lá ido num dia que não é o meu do costume e ter achado linda a peça que vc estava a polir (outra bolacha do castanheiro)? depois mostrou-me no telemóvel esta mesa que deu ao pai e falou-me do seu blog. Já vi aqui trabalhos bem giros (a sua casa é linda!) mas este é de fato inigualável, não só pelo resultado em si, como pela história que está por trás. Qualquer dia hei-de lhe pedir para colocar no l´avionrose! Beijinho, Ana, bom fim de semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Val! sim! agora que fala recordo-me perfeitamente, não tinha associado :). Tenho um carinho muito especial por esta mesa e entretanto já terminei a que viu e uma outra que ofereci à minha irmã. Um dia destes publico. Se quiser publicar, diga! Um beijinho

      Eliminar

© Anantique. All rights reserved.